Paulo Reis confirma que Vasco deu entrada em uma ação na Justiça pelo lado direito do Maracanã

A iminente derrota na primeira batalha fora de campo contra o Fluminense não vai fazer o Vasco desistir. Ao mesmo tempo que admite que praticamente não há mais tempo para mudanças no clássico de domingo, o clube deu entrada nesta terça-feira em uma ação na Justiça. O objetivo é claro: lutar pelo lado direito do Maracanã e fazer valer o que o Cruz-Maltino entende como um direito adquirido desde a década de 1950 nos próximos clássicos contra o Tricolor.

Desde cedo, o departamento jurídico do clube estava definindo se entraria com uma ação no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) ou Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STDJ). O vice-presidente jurídico do Vasco, Paulo Reis, preferiu não dar detalhes da estratégia. Mas reforçou a posição do Cruz-Maltino.

– Entramos na Justiça. Mas não posso dar mais detalhes se foi no TJ ou no STJD, não quero dar o caminho das pedras aos rivais. A intenção não é suspender o jogo deste domingo, pois isso seria um desrespeito aos torcedores. Coisa que o Fluminense e o Consórcio Maracanã estão fazendo com a instituição Vasco e seus torcedores. Queremos buscar um direito do Vasco. Não deve mais dar tempo para o jogo de domingo, mas estamos mirando os futuros clássicos – resumiu o advogado.

Entenda o caso

O Fluminense assinou um contrato de 35 anos com o Consórcio Maracanã em 2013, após a reinauguração do estádio, e alega que o documento lhe dá direito a escolher um lado fixo para seus torcedores: no caso o lado direito, chamado de setor norte. O Vasco se apoia na conquista do Campeonato Carioca de 1950, o primeiro da Era Maracanã. Com o título, o clube teve o opção de escolher o lado de seus torcedores. Preferiu o direito. Vice-campeão naquele ano, o Flamengo ficou com o lado esquerdo.

Depois da reabertura do estádio, Fluminense e Vasco já se enfrentaram três vezes no Maracanã. Todas com a nova configuração: tricolores à direita, cruz-maltinos à esquerda. Foram duas vitórias do Vasco e um empate. Mas o presidente Eurico Miranda, que retornou ao poder no fim de 2014, deixou claro que lutaria pela retomada da tradição. Desde então começou a polêmica. No Campeonato Carioca, a Ferj alegou que os clássicos não tinham mando de campo. Assim, Flu x Vasco se enfrentaram no Engenhão a mando da entidade.

Fonte: GloboEsporte.com

Anúncios